quinta-feira, 25 de setembro de 2008

No mundo da "fantasia"... será?

O Primeiro sentado à sua secretária olhava para os seus colaboradores mais fiéis, na expectativa de uma qualquer brilhante ideia para colocar em prática e levar o partido à vitória nas eleições que se aproximavam.

Ele ia falando, expondo os seus pensamentos e pressurosos os outros todos iam meneando a cabeça, assentindo sem dúvidas tudo o que ele dizia, embevecidos com a clarividência do chefe.

A certa altura o Primeiro, já chateado com aquilo tudo, volta-se para eles e diz naquela voz irritada, arrogante, pesporrente, que toda a gente no país já tão bem identificava:
– Porra! Parem lá de andar com a cabeça de cima para baixo! Parecem umas galinhas a debicar no milho! Vejam lá mas é se tem algumas ideias que foi para isso que vos chamei para o governo! Ou querem ficar no desemprego?

Olharam uns para os outros, atrapalhados, temerosos, porque sabiam bem como eram as irritações do Primeiro.

Um deles então, parecia o da Economia, muito a medo, arriscou:
– Então e se oferecêssemos uns electrodomésticos ao povo?

Os olhos do Primeiro chisparam e gritou já com uma raiva incontida:
– Mas olha lá, tu julgas que eu sou algum presidente de Câmara, ou quê? Tu “tás” parvo? Só me saem gajos destes!

O outro ainda arriscou timidamente:
– Mas o Zé Eduardo fez isso e não é presidente de Câmara! E ganhou as eleições quase com 90%! Até parecia a Rússia de antigamente!

O Primeiro, sem sequer olhar para ele para não se irritar mais, disse:
– Gaita, és sempre o mesmo bronco! Não sei como é que te escolhi para isto!

Então o das Obras, com aquele ar de burro encartado, disse muito ufano:
– Já sei, prometem-se mais umas auto-estradas!

Responde-lhe o Primeiro:
– Ó meu camelo! Então já nem temos espaço para plantar umas couves neste país à conta de tanta auto-estrada, e tu ainda vens propor mais umas!

E acrescentou:
– Irra, estou cercado de incompetentes!

Aquele que não tem pasta com assunto, que é o mais chegado ao Primeiro, afirmou muito pressuroso:
– Eu ainda não disse nada! Eu ainda não disse nada!

O Primeiro não se conteve, e com o seu célebre dedo apontado para ele, gritou:
– Pois não, meu macaquinho de imitação! Tu nunca dizes nada e quando dizes é para repetir o que eu digo e mesmo assim muitas vezes mal!
E continuou:
– Bem, já percebi que com vocês não me safo! Tenho que ser eu a fazer tudo!
Vamos distribuir uns computadores aos putos das escolas, aumentar umas pensõezitas das mais baixas e prometer mais polícias e mais armamento para os gajos, a ver se o pessoal vota em nós.
Tenho que ver também como é que vou conciliar estas promessas e outras com a história da contenção do défice, mas quanto a isso não devo ter problemas porque os gajos da oposição andam aos papéis e não sabem para que lado se hão-de voltar!

E finalizou, com um ar cansado, mas muito satisfeito consigo próprio:
– Os gajos da oposição ficam sempre lixados comigo. Fartam-se de fazer perguntas, mas eu nunca lhes respondo e só falo do que eu quero! Até tenho pena deles!

Os outros levantaram-se todos e aplaudiram freneticamente o Primeiro, que de cabeça erguida em pose, agradecia condescendente a homenagem que lhe prestavam.

8 comentários:

Ferreira-Pinto disse...

Eh lá, o amigo anda a ter acesso a informação muito confidencial ... ainda vamos ter o SIS a bater-lhe à porta! :)

Tiago R Cardoso disse...

Comédia nacional no seu melhor.

Muitíssimo bem.

Carol disse...

Espectáculo! ;)

nem+ disse...

Eh eh eh tu estavas lá, tu estavas lá... Não sei como, disfarçado do que, com que artes e magias eh eh mas estavas...

;)

lusitano disse...

Eu, Ferreira-Pinto, eu???

Nem sabia que podia haver países governados assim!!!

lusitano disse...

O problema Tiago é que é "tragicomédia"...

Obrigado

lusitano disse...

É Carol, é realmente um triste espectáculo que esta gente às vezes dá...eheheh

lusitano disse...

nem+

Shiu, shiu...que eu ainda quero lá ir fazer mais umas reportagens!!!