sexta-feira, 14 de novembro de 2008

E é só ele???

DN: «Santana e Carmona investigados por novas suspeitas de corrupção»

Trata-se de dois processos de loteamento na zona oriental de Lisboa, aprovados em 2006 pelo executivo de Carmona, que surgem na sequência de uma alteração do PDM, aprovada ainda pela presidência de Santana.

Do Portugal Diário


Agora que o homem, Santana Lopes, se perfila, ou já é candidato à Câmara de Lisboa, vamos ver a quantidade de processos que serão iniciados contra ele, que irão ser do conhecimento público e que não serão resolvidos antes das eleições!

Informo desde já que até nem gosto como político de Santana Lopes, e que nem sequer voto em Lisboa, mas as coisas que hão-de aparecer aí pela comunicação social não terão conta.

Logicamente afirmo que se o homem tem “culpas no cartório”, qualquer que seja o “cartório”, têm que ser investigadas e punidas em caso de culpa provada, mas que o sejam sem arrastamento, ou seja, até às eleições.

É que toda a gente se ri de Santana Lopes, toda a gente desvaloriza a sua candidatura, (que não sei se será boa para Lisboa, mas isso é problema dos “alfacinhas”), mas a verdade é que me parece realmente que a dita candidatura provoca algum receio nos outros candidatos.

“A ver vamos, como diz o cego”!!!

7 comentários:

Ferreira-Pinto disse...

Sinceramente, e depois do triste e lamentável espectáculo da saída-fugida de Lisboa para o Terreiro do Paço, tenho de confessar que não sei se Santana Lopes impressiona ou assusta assim tanto!

E admito que, dentro do PSD, era um dos políticos por quem nutria alguma admiração pela combatividade, dotes de oratória e assertividade.

Na Figueira já foi o que foi, e em Lisboa é umas atrás das outras ...
Lamentável aqui é que estas coisas demorem o tempo que demoram ... a saber-se e a julgarem-se!

Tiago R Cardoso disse...

eu pessoalmente já nem tenho paciência para o Senhor Santana Lopes, se fosse lisboeta ficava bastante preocupado só de o ter de aturar em campanha eleitoral.

bom fim de semana.

lusitano disse...

Caros Ferreira Pinto e Tiago, permitam-me que esclareça, pois pode não ter ficado bem entendido, que me estou borrifando para o Santana Lopes e as suas diatribes, e que julgo eu, nesta altura do campeonato nunca votaria nele.

O que está em causa é que agora, como num passe de mágica, vão começar a surgir coisas da sua presidência da Câmara que não serão resolvidas antes das eleições, digo eu!

Quanto à Câmara de Lisboa, isso é lá com eles, são alfacinhas que se "desengomem"!!!

Abraço

Peter disse...

"Logicamente afirmo que se o homem tem “culpas no cartório”, qualquer que seja o “cartório”, têm que ser investigadas e punidas em caso de culpa provada, mas que o sejam sem arrastamento, ou seja, até às eleições."

Seria assim em qualquer outro país que não o nosso.

Já estamos habituados...

joshua disse...

Meu caro Amigo, permite-me que partilhe contigo esta importantíssima petição [clarificadora e anti-demagogia de esses serventes das agendas partidária e da sua lógica corporativa partidária-PS pela qual espumam de zelo acima de tudo e de todos], mais uma, que me chegou ontem, a qual, se quiseres em complemento, te re-enviarei de igual modo por e-mail [Abraço Bem Fraterno]:

PETIÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO À
SR.ª MINISTRA DA EDUCAÇÃO

Nota Introdutória:

Nós os Pais e Encarregados de Educação autores desta petição, nós os que frequentemente olhamos os nossos filhos enquanto brincam e se divertem, e invariavelmente os imaginamos daqui a muitos anos com os seus e os nossos sonhos, desejando que alcancem uma vida plena. Nós, aqueles que projectam para os seus filhos as competências para a participação numa sociedade de sucesso, e que neles vêem o futuro e a garantia de uma herança cultural colectiva; nós, esses mesmos, também temos uma palavra a dizer.

Na educação, claro! Uma palavra a dizer sobre as políticas educativas que finalmente parecem ter recuperado um país para a sua própria consciência e que nos provaram, afinal, que em Portugal a cultura de intervenção cívica não morreu. Esteve apenas adormecida por uma indiferença ao discurso político, muitas vezes medíocre, e que efectivamente apenas interessa a quem participa nos jogos de poder.

Afinal, quando altos valores se levantam, Portugal reage. Enfim, quando aqueles em quem foi delegado o poder legislativo se esquecem que a lei deve servir a quem neles delegou, Portugal recorda. Porventura, quando os dirigentes revelam não estar à altura da longa tradição de serviço público, Portugal protesta. Quando a falta de cultura social das elites políticas se revela e ultrapassa todos os limites, em matérias que hipotecam seriamente o futuro colectivo de uma nação, Portugal diz basta!!!

A presente petição à Ex.ma Senhora Ministra da Educação é subscrita por aqueles que depositam toda a sua esperança nos filhos. Aqueles que nada guardam ou poupam, para que as futuras gerações de portugueses possam partilhar um futuro colectivo melhor, e com isso serem eles próprios melhores homens e mulheres, mais bem preparados, mais capacitados, com mais oportunidades e com melhores perspectivas. Somos pais, e esta é a nossa missão.

Para salvaguarda do significado do presente documento e da integridade intelectual dos subscritores, deixamos aqui uma forte advertência a todos aqueles que nos lêem e que ponderam subscrever esta petição:

Em boa verdade, não há ninguém que possa afirmar não ter qualquer ligação à educação. Em cada família há um aluno, em cada professor uma família. É especialmente a estes últimos, e a todos os que desenvolvem a sua actividade profissional na área educativa que pedimos um esforço adicional. Antes de prosseguirem para a leitura do texto da petição, saiam da frente do computador e procurem os vossos filhos. Olhem-nos e admirem-nos. Imaginem o que o futuro lhes reserva e tudo aquilo que para eles desejam. Depois, apenas e só depois deste exercício, regressem e leiam o texto da petição com olhos e alma de pais. Só assim – na qualidade de Pais e Encarregados de Educação - a vossa subscrição será verdadeira, integra e intelectualmente honesta.

O assunto é demasiado sério, e merece algum cuidado.

Leia atentamente a petição, subscreva e divulgue.

Muito obrigado.


**********************************************
PETIÇÃO À SENHORA MINISTRA DA EDUCAÇÃO
**********************************************

Dr.ª Maria de Lurdes Rodrigues

Nós os Pais e Encarregados de Educação declaramo-nos preocupados.

A situação a que chegámos é talvez o culminar da "tomada de assalto" das escolas pela burocracia e pelas elites que fomos criando em muitos anos de políticas educativas atípicas para a própria condição humana. Ela reflecte bem o estado geral da educação em Portugal, e não augura nada de bom se não ponderarmos o rumo em que estamos lançados.

Várias ameaças pairam sobre a educação nacional neste momento, sobre as quais tecemos as seguintes considerações:


a) Avaliação dos professores

Afirmamos a necessidade de um sistema de avaliação de desempenho, tanto para os professores como para as escolas enquanto instituições colectivas. A avaliação não é uma questão laboral mas sim uma questão educativa de fundo e uma indispensável ferramenta estratégica para a melhoria de competências e práticas pedagógicas e científicas, e para garantia da qualidade das aprendizagens.

Em consciência, não podemos concordar com sistemas de avaliação "fast-food", criados à luz de critérios economicistas, sem quadros independentes, formados e especializados na problemática educativa, e sem critérios e objectivos de longo prazo devidamente estabelecidos. É imperativo saber o que queremos da escola moderna e dos novos professores para saber o que vamos avaliar.

Consideramos prejudicial aos interesses dos nossos filhos e do futuro do país, um sistema de avaliação que visa pressionar o professor a facilitar a avaliação dos alunos. Os nossos filhos merecem uma preparação efectiva e não meramente estatística. As estatísticas de sucesso podem servir para abrilhantar relatórios, mas não servem os interesses dos nossos filhos nem o futuro do país.


b) O estatuto do aluno – em particular o novo regime de faltas

Não podemos concordar com o abandono de valores culturais essenciais para a formação do carácter individual e colectivo de uma sociedade de sucesso. Rigor, esforço, dedicação, dever, responsabilidade e disciplina estão cada vez mais longe da escola.

Consideramos uma grave subversão dos valores que a escola transmite quando se trata por igual situações que são antagónicas, premiando a irresponsabilidade e prejudicando o empenho. Não há sensação de justiça quando se equipara uma falta por doença ou motivo justificativo a uma simples "balda" ou "gazeta".

Acreditamos numa escola humanista, tolerante e geradora de solidariedade que seja capaz de dar todas as oportunidades a todos os alunos. Mas a escola nunca o será verdadeiramente se não for capaz de premiar a competência, reconhecer o esforço, e censurar o desleixo.

Apelando à serenidade e a meios de expressão em que prevaleça o respeito pela ordem pública e pela diferença de opinião, prestamos a nossa homenagem, admiração e solidariedade ao movimento estudantil e às associações de estudantes onde, afinal, o espírito crítico ainda sobrevive. É para nós um desejo que as novas gerações possam ser mais pró-activas (e menos passivas) no uso e reivindicação do seus direitos, liberdades e garantias, numa cultura de intervenção cívica própria das sociedades mais desenvolvidas.

Lamentamos profundamente e recusamos quaisquer atestados de menoridade ou de incapacidade crítica, implícitos nas insinuações de que os nossos filhos estão a ser manipulados. Aos que as fazem, lembramos as palavras de Epicleto: "Não devemos acreditar na maioria que diz que apenas as pessoas livres podem ser educadas, mas sim acreditar nos filósofos que dizem que só as pessoas educadas são livres".


c) Apelamos a um debate nacional, e a uma reflexão profunda

Em tempo de mudança, de uma Sociedade da Informação que se quer transformar em Sociedade do Conhecimento, da velha pessoa "reactiva" para a nova pessoa "pró-activa", que seja um verdadeiro agente de transformação, capaz de construir conhecimento, que aluno é que queremos?

Em tempo de mudança, dos velhos sistemas analógicos para a era digital, em que jovens teclam tão rápido num telemóvel ou num computador e em que nos habituámos a ver o mundo em mudança rápida e permanente até ficar bem diferente poucos anos depois de se ter iniciado o percurso escolar; que professor é que queremos?

Em tempo de mudança, o que é mais importante: traçar um perfil novo para o professor, o educando e as aprendizagens e acompanhar com uma avaliação honesta, sensata e rigorosa, ou avaliar sem se saber o que se está a avaliar porque não se sabe o que se quer? Que escola é que queremos?

Queremos a escola que Kant nos descreve, quando afirma "É por isso que se mandam as crianças à escola: não tanto para que aprendam alguma coisa, mas para que se habituem a estar calmas e sentadas e a cumprir escrupulosamente o que se lhes ordena, de modo que depois não pensem mesmo que têm de pôr em prática as suas ideias"?

Ou acreditamos em Tucídides, quando afirma "Não pensem que um ser humano possa ser muito diferente de outro. A verdade é que fica com vantagem quem tiver sido formado na escola mais rude"?


d) Afinal, o que é que queremos construir?! Afinal, o que é que queremos avaliar?! Resignamo-nos à mediocridade, à falta de meios, à falta de ambição?

A maior derrota é perder a capacidade de reflectir. Perder a oportunidade de parar para pensar, para dialogar. Essa perda afecta o homem e a sociedade no seu último elo: a sociabilidade.

Ao longo dos últimos anos temos vindo a assistir ao desaparecimento das ciências sociais e humanas dos currículos educativos. À luz daquilo em que se transformou a política – discursos e estatísticas – esta acabou por transformar a educação em Português e Matemática.

Como afirmou o reconhecido académico António Damásio, "(...) o ensino das Artes e das Humanidades é tão necessário quanto o ensino da Matemática e das Ciências,(...) Ciência e Matemática, por si, são insuficientes para formar cidadãos".

Não admira pois que alguns titulares de órgãos de soberania tenham "fracos índices de cultura social". São já fruto de políticas educativas avessas à própria condição de cidadania. Não mudemos nada, e imaginem como serão aqueles que nos governarão amanhã.

Resta-nos a esperança de que com o novo modelo de gestão, as escolas passem a responder perante a comunidade e não perante o sistema. Resta-nos a convicção de que com o reforço do peso dos pais e outros elementos da comunidade na gestão das escolas possamos, em conjunto com os professores e os nossos filhos, mudar um destino fatal.

Assim, e pelo exposto, os Pais e Encarregados de Educação abaixo assinado, requerem a Sua Ex.a a Ministra da Educação:

1. A suspensão do Decreto-Regulamentar 2/2008 de 10 de Janeiro, que regulamenta o regime de avaliação de desempenho do pessoal docente do pré-escolar e dos ensinos básico e secundário;
2. A urgente abertura de um processo negocial, que promova um amplo debate nacional e uma reflexão séria sobre os objectivos nacionais a atingir através das políticas educativas;

3. A abertura de um processo de revisão da lei 3/2008 de 18 de janeiro, que aprova o Estatuto do Aluno dos Ensinos Básico e Secundário, de forma a consagrar princípios de justiça e uma cultura de empenho, rigor, esforço e exigência na vida escolar dos nossos filhos e futuros pais, líderes e garantes deste país.

Os abaixo-assinado:

Subscreva esta petição em

http://www.petitiononline.com/minedupt/petition.html

lusitano disse...

Claro Peter, claro!!!

Mas vamos ver quantos do PSD vão ficar a arder em fogo lento até às eleições.

Estes do BPN têm-no garantido, a menos que haja por lá alguns do outro lado!!!

Abraço

lusitano disse...

Caro Joshua

Já assinei!

Preocupa-me obviamente a educação dos meus filhos e tudo isto não augura nada de bom.

Acho que há irredutibilidade de ambas as partes e que, se ministra e mário nogueira saissem de cena, talvez se conseguisse um diálogo e uma solução.

A bem dos estudantes, futuro da Nação.

Abraço